Pesquisar neste blogue

domingo, 19 de dezembro de 2010

"GATTACA"

Filme de ficção cientifica produzido nos Estados Unidos em 1995



Lançamento: 1997 (EUA)
Direção: Andrew Niccol
Atores: ElencoEthan Hawke,Uma Thurman, Jude Law, Gore Vidal.
Duração: 112 min










 RESUMO:

      Vincent Freeman (Ethan Hawke) tem desde pequeno, o desejo de ser um astronauta, mas tem no seu código genético grandes probabilidades de  doenças que não lhe permitem nada melhor na vida do que ser empregado de limpeza. Consegue, porém, um lugar de destaque em uma corporação, escondendo a identidade genética verdadeira. Tudo segue perfeitamente, com muito esforço, até que um assassinato no seu emprego poe a sua "máscara" em risco, podendo expor todo passado. 

      Gattaca passa-se num suposto tempo futuro não tão distante, mostra uma sociedade em que o Estado não tem controle sobre a visão social da qualidade genética e em que tal manipulação genética criou novas espécies de castas, preconceitos e divisões sociais, aparentemente legitimadas pela ciência. Aos pais que desejam ter filhos é dada a oportunidade de escolher e manipular a interação entre seus gametas, para gerarem filhos com a combinação melhor de qualidade genética possível. Este procedimento acaba  por criar uma distinção de quem está mais apto para fazer o que na sociedade e como resultado final, tem-se as seguintes distinções: 
  • Válido, no geral frutos dessa combinação genética planejada; 
  • Não-válido, humanos menos perfeitos, com mais propensões a doenças e deficiências, mesmo que mínimas. 

     Aos Válidos são disponibilizados os melhores empregos e as grandes competições, enquanto que para os Não-válidos é limitada a liberdade de escolha, por meios socioeconômicos, a exemplo, pelo seu currículo genético não se consegue um emprego melhor que empregado de limpeza. 
     A história do filme envolve dois irmãos, "Vincent Anton" e "Anton", respectivamente concebidos de maneira natural e manipulado geneticamente. Ambos carregam o nome do pai, mas ao saber do resultado genético do primeiro filho, o pai inclui um primeiro nome diferente no filho não tão perfeito, resguardando seu nome para um segundo filho, supostamente o mais bem sucedido.O primeiro, Não-válido, mesmo tendo predisposição a várias doenças e uma previsão de sua morte para seus 30 anos, busca realizar seu sonho contra tudo e todos. Deseja Viajar para as estrelas e com todo seu esforço e um pouco de corrupção do sistema, tenta superar os limites impostos ao seu destino, sendo obrigado a esconder de todos quem ele realmente é.

     Uma curiosidade pertinente é o significado do acrônimo Gattaca: Trata-se da ordenação de uma série de bases nitrogenadas que componhem o DNA, no caso a Guanina Adenina Timina Timina Adenina Citosina Adenina.




Reflexão:
     Gattaca não é apenas um filme de ficção científica, esta ficção nós mostra que não existe um gene que carregue a essência do ser humano, a fé. O filme é um retrato da realidade social em que vivemos, pois na ótica antropológica o pré-conceito está presente em todas as culturas, assim o homem julga o outro pelo seu estereotipo e não pelo o que ele realmente é. Vincent é um simples rapaz que sonha como qualquer outro jovem na sua idade, mas numa sociedade na qual os nossos genes são factores determinantes de sucesso seu sonho de conhecer o enigmático espaço é justamente limitado por esses pré-conceitos genéticos. Esta ficção é mais real do que parece ser, o futuro em que seremos julgados pela nossa herança genética não está muito distante, mas descobriremos que o nosso SER não é constituído somente pelo o que somos fisicamente. A história do Filme é grandiosa, um homem busca realizar o seu sonho mesmo se sua identidade é previamente julgada pelos genes que ele carrega consigo. Mas não existe gene que nos impeça de sonhar, de crer que podemos conquistar nossos objectivos, estas fantasias sem as quais não seriamos humanos. Para mim uma das cenas mais marcantes está na praia, quando ele ganha a corrida no mar contra seu irmão e responde como conseguiu "Eu simplesmente não penso na volta". Nós somos assim, vivemos e muitas vezes tomamos atitudes sem pensar em quais consequências acarretarão, arriscamos porque temos a mesma esperança de Vincent.

domingo, 28 de novembro de 2010

DNA: A promessa e o preço - Episódio 1 - Parte 1

Hereditariedade ligada ao sexo

Transmissão de alelos recessivos ligados ao cromossoma X
  • afecta, com muita maior ferquencia, os homens;
  • as mulheres heterozigóticas (portadoras) não manifestam a caracteristica;
  • os homens que manifestam a característica transmitem o alelo apenas ás filhas;
  • uma mulher que manifeste a característica é filha de um pai afectado e uma mãe afectada ou portadora.

 Hemofilia 

 Daltonismo



      Hereditariedade autossómica

          A transmissão de caracteres hereditários codificados que se localizam em autossomas reveste-se de aspectos particulares, conforme o alelo responsável pela manifestação do carácter podendo ele ser dominante ou recessivo.

       Transmissão de alelos autossómicos recessivos
      • homens e mulheres são igualmente afectadas;
      • os heterozigóticos (portadores) apresentam fenótipo normal;
      • a maioria dos descendentes afectados possui pais normais;
      • dois progenitores afectados originam todos os seus descendentes com a anomalia.



      O albinismo e fenilcetonúria são patologias causadas por alelos recessivos localizados em autossomas.






      Transmissão de alelos autossómicos dominantes 
      • homens e mulheres são igualmente afectados;
      • a anomalia tende a aparecer em todas as gerações;
      • os heterozigóticos manifestam a anomalia;
      • quando um individuo manifesta a anomalia, pelo menos um dos progenitores também a possui;
      • quando um dos progenitores apresenta a anomalia, aproximadamente metade da sua descendência pode ser afectada.

      A doença de Huntington é uma patologia causadas por um alelo autossómico dominante.

      domingo, 21 de novembro de 2010

      Morgan - Ligação factorial

      • Thomas Morgan
           Embriologista da Universidade de Colúmbia (EUA), desenvolveu, desde 1910, estudos genéticos com a mosca-da-fruta (espécie Drosophila Melanogaster).

      (Prémio Nobel - 1933).

      Morgan teve como material biológico a mosca-da-fruta, segundo as suas excelentes características:
      - reduzidas dimensões;
      - fácil conservação, manuseamento e alimentação;
      - ciclo de vida curto (12 dias);
      - descêndencia em número elevado;
      - fácil distinção dos sexos;
      - grande variedade de caracteres de fácil observação;
      - cariótipo com apenas 4 pares de cromossomas (3 pares de autossomas e 1 par de sexuais).


      Formas da mosca-da-fruta

             A forma predominante na Natureza tem o corpo cinzento, olhos vermelhos e asas longas e denomina-se forma selvagem.


             Outras formas alternativas (mutantes) podem revelar corpo negro, olhos brancos ou asas vestigiais entre outras características.








       Genótipo:
      w+ Olhos vermelhos
      w Olhos brancos 


      Transmissão da cor dos olhos

      Cruzamento directo
      Macho mutante de olhos brancos + Fêmea de olhos vermelhos
      F1 = 100% de individuos (machos e fêmeas) de olhos vermelhos.

      Conclusão: w+ é dominante e w é recessivo.
       Cruzamento recíproco
      Fêmea = W (mutante)
      Macho = W+ (selvagem)

      F1 = 50% dos indivíduos olhos selvagens (todos fêmeas)
              50% dos indivíduos olhos brancos (todos machos)


             Conclusão: o gene responsável pela cor dos olhos estaria localizado num cromossoma para o qual não existisse um verdadeiro homólogo - par de cromossomas sexuais masculino (XY).


              As fêmeas possuem dois cromossomas X (verdadeiros homólogos), os machos possuem um cromossoma X e um cromossoma Y, sem genes correspondentes (falsos homólogos).
              As fêmeas designam-se homogaméticas e os machos heterogaméticos.
              Os machos manifestam o único alelo, localizado no cromossoma X (designam-se hemizigóticos).


      Características ligadas ao sexo

           Características cujos genes responsáveis pela sua manifestação se localizam nos cromossomas sexuais.
      • Ligação factorial
            O número de cromossomas do cariótipo de um individuo é incomparávelmente menor do que o número de genes que condicionam o seu fenótipo.
            Um cromossoma terá de ter, necessariamente, um grande número de genes.
            Genes dispostos ao longo de um cromossoma = genes ligados factorialmente ou em linkage e constituem um grupo de ligação factorial, sendo transmitidos em bloco aos descendentes.
           Nesta situação não se verifica a segregação independente (2ª lei de Mendel) embora possa ser explicada pela teoria cromossómica da hereditariedade. 
           Como resultado de crossing-over, durante a meiose, os genes podem separar-se e surgir nos gâmetas como se estivessem situados em cromossomas separados.
          A descendência será qualitativamente igual à prevista numa segregação independente dos genes; quantitativamente, surgem em proporções alteradas dado que o crossing-over é menos frequente do que a transmissão em bloco dos genes em causa. 


      terça-feira, 9 de novembro de 2010

      Extensões da genética mendelina - evolução genética

      • Dominância incompleta
      Situações em que não há dominância total de um alelo sobre sobre o outro.
      Expressam-se ambos parcialmente pelo que, em relação ao gene considerado, surge um fenótipo intermédio em indivíduos heterozigóticos.




      • Codominância
      Situações em que os alelos de um par se expressam ambos completamente no fenótipo, em indivíduos heterozigóticos

      • Alelos múltiplos
      Numa população podem existir 3 ou mais alelos do mesmo gene, concorrentes para um determinado locus, que tem, assim, alelos múltiplos.


      Na espécie humana, os grupos sanguíneos do sistema ABO constituem em exemplo de alelos múltiplos.

       Na população humana existem quatro grupos sanguineos, A, B, AB e O, que constituem o sistema ABO.
      Um único locus (I), situado no cromossoma 9, pode ser ocupado por 3 tipos de alelos (Ia, Ib, e Io), envolvidos nas caracteristicas dos quatro grupos de sangue.

      Tipo A - hemácias com aglutinogénios A e plasma com aglutininas anti-B.
      Tipo B - hemácias com aglutinogénios B e plasma com aglutininas anti-A.
      Tipo AB - hemácias com aglutinogénios A e B e plasma sem aglutininas.
      Tipo O - hemácias sem aglutinogénios A e plasma com aglutininas anti-A e anti-B.

      O alelo A domina o alelo O (Ia > Io)
      O alelo B domina o alelo O (Ib > Io)
      Os alelos A e B são codominantes (Ia = Ib)
      O alelo O é recessivo em relação aos restantes  (Ia = Ib)> Io

      • Alelos letais 
      Em várias espécies, certos alelos homozigóticos reunidos,  podem conduzir á morte so seu portador.
      Caso esses alelos se presentem em heterozigotia não é problemas letais, o que permite a sua manutenção na população.


      Na espécie humana, a doença de Huntington, a anemia falciforme, a hemofilia, entre outros, estão relacionados com alelos letais.

      Reflexão:
      Este conhecimento cientifico foi bastante importante para todos nós, pois permitiu-nos avançar na medicina, nomeadamente em vários problemas em que a genética intrevem e que a sociedade necessita para o seu bem estar. 
      Por exemplo, se não se desvendassem o sistema de grupos sanguíneos (ABO) não seria possível a transfusão de sangue!!


        domingo, 31 de outubro de 2010

        Gregor Mendel - biografia e estudos



        Breve biografia

        Nome: Gregor Johann Mendel
        Nascimento: 20 de julho de 1822
        Campos: Genética
        Conhecido por: Descobridor da genética
        Percurso: Quando era novo ajudava o seu pai na jardinagem, pelo que começou a ter grande gosto por plantas. Como era brilhante aluno os pais encorajaram-no a ferquentar o ensino superior no Instituto de Filosofia de Olmütz (hoje Olomouc, República Checa) e na Universidade de Viena, no entanto aos 21 anos saiu e dedicou-se á vida de monge num mosteiro da Ordem de Santo Agostinho. Aí tinha ao seu cargo a suprevisão dos jardins do mosteiro.
        Morte: 6 de janeiro de 1884



        Estudos

        No seu trabalho com ervilhas (Pisum sativum), Mendel teve em vista o estudo da hereditariedade, tendo só em conta as características descontinuas, desprezando pequenas variações individuais.


        Para preceber melhor a hereditariedade, mendel teve o cuidado de utilizar linhas puras ( autopolinização que origina descendentes com caracteristicas identicas aos dos seus progenitores ). Para obter linhas puras cruzava as ervilheiras idênticas em relação a uma determinada caracteristica (geração parental), durante várias gerações (f1, f2...) e eliminava aquelas que surgiram com uma variação, dessa caracteristica.

        Experiências realizadas

        Monoibridismo
        Analisa a transmissão de apenas uma caracteristica.


        Conclusão:
        • existe uma uniformidade nos híbridos da 1ªgeração, manifestando-se apenas o carácter de um dos progenitores.
        • na 2ªgeração, ambas as variantes surgem na descendência numa proporção de 3 para 1.
        • Lei da Segregação Factorial ( 1ª lei de Mendel ): Quando um organismo produz gâmetas, os alelos são segregados (separados), de tal forma que cada gâmeta recebe apenas um dos elementos de cada par de alelos.
        Diibridismo
        Transmissão simultânea de duas caracteristicas.
        Mendel pertendia verificar se existia alguma interferência na transmissão de dois caracteres distintos e se essa transmissão se fazia em bloco ou de forma independente.



        Coclusão:
        • Segregação independente: Os alelos responsáveis pelos dois caracteres em estudo são transmitidos de forma independente para os gâmetas, isto é, independente do conjunto de genes que foi herdado de cada progenitor, os individuos f1, ao produzirem os seus gâmetas, podem combiná-los de forma aleatória, desde que cada gâmeta possua dois alelos para cada uma das duas caracteristicas.
        • Lei da Segragação independente (2ª lei de Mendel): Durante a formação dos gâmetas, alelos de diferentes genes são segregados de forma independente da segregação dos alelos de outro gene.

        Reflexão:
         Visto a contextualização social, cultural da época em que Mendel iniciou os seu estudo com sementes de ervilhas sabemos que muitos conceitos cientificos ainda não tinha sido descobretos (meiose, adn, mitose, variavilidade genética...). Mendel introduziu assim a genética na ciência.



        sábado, 30 de outubro de 2010

        Cientistas descobrem gene responsável pela calvície

        Notícia do público:

        "Cientistas norte-americanos da Escola de Medicina da Universidade da Pensilvânia conseguiram regenerar folículos pilosos em ratinhos, o que pode contribuir para a criação de um tratamento definitivo contra a calvície nos humanos.

        O ser humano tem cem mil pequenos folículos pilosos na cabeça e cada um deles origina um cabelo. Estes folículos são produzidos durante a fase embrionária, nos primeiros estágios da gravidez, e quando destruídos não voltam a recuperar.

        No estudo, divulgado pela revista científica "Nature", a equipa de especialistas refere que depois de ter feito algumas feridas nas costas de ratinhos adultos verificou que, durante o processo de cicatrização natural, surgiram folículos pilosos no centro das feridas.

        A equipa descobriu que um importante gene, o wnt, pode ser o responsável pela produção de novos folículos. Quando a acção deste gene é bloqueada, não são produzidos folículos. No entanto, o contrário acontece quando é activada.

        Os investigadores acreditam que esta descoberta pode permitir a criação de novos tratamentos contra a calvície."

        Reflexão:
        Sempre a avaçar :)
        Adeus semi carecas!!

        Conservação de células estaminais

        As células estaminais - também conhecidas como células-mãe, ou germinativas - são células mestras que têm a capacidade de se transformar em outros tipos de células, incluídas as do cérebro, do coração, dos ossos, dos músculos e da pele.

        Onde há células estaminais?
        Até o momento foi confirmado que há células estaminais no cordão umbilical, placenta, medula óssea e nos embriões.

        Criopreservação
        O processo de criopreservação é relativamente simples. O 1º passo é consiste em solicitar o kit de recolha a uma das empresas que disponibilizam o serviço em Portugal. O kit deve preferencialmente ser encomendado com dois meses de antecedência para o caso do bebé nascer mais cedo que o previsto.
         No momento do parto a colheita de sangue deverá ser efectuado pelo profissional de saúde que estiver a assistir o parto, para isso deverá ter previamente entregue o kit e informado sobre a sua intenção de recolher sangue do cordão umbilical.
        A criopreservação é um método de conservação de células estaminais que estão no sangue do cordão umbilical de um bebé. As células estaminais são guardadas a uma temperatura muito baixa, cerca de 196ºC abaixo de zero, de modo a que garanta a sua viabilidade durante muitos anos.



        video



        Investigação inconclusiva
        A ciência tem estudado a utilização de células estaminais nas mais diversas patologias Parkinson, diabetes, Alzheimer, doenças do foro cardíaco e carcinomas. O presidente da Sociedade Portuguesa de Células Estaminais e Terapia Celular, Rui Reis, considera que a congelação de células do bebé "pode ser muito interessante", mas reconhece que ainda não existe forma de as aplicar para o tratamento de doenças.

        A Bebevida, que se lança agora neste serviço, propõe aos pais a "possibilidade de salvar a sua vida e a do seu filho" . A empresa disponibiliza a conservação de células estaminais do bebé durante 25 anos com a finalidade da sua utilização "na terapia de diversas doenças" e cobra 1.465 euros (perto de 293 contos) por este serviço.

        Alerta europeu
        Perante o crescimento deste tipo de serviços, o Grupo Europeu de Ética alertou recentemente para o "engano" que é congelar células do cordão umbilical para a utilização futura do dador, já que é raríssimo o seu uso no tratamento de doenças.
        Este órgão consultivo da Comissão Europeia especifica que "a probabilidade de se precisar de um transplante autólogo [de tecidos provenientes do próprio dador] está estimada em aproximadamente um em cada 20 mil casos, durante os primeiros 20 anos de vida". O Grupo Europeu de Ética alerta também que "não foi ainda demonstrado que as células que se destinam a ser utilizadas em transplantes possam ser armazenadas por mais de 15 anos".
        Apesar da intensa investigação realizada "não foi ainda demonstrada nenhuma prova evidente da utilidade das células estaminais". Assim, é "altamente hipotético que as células do cordão umbilical mantidas para utilização no dador tenham algum valor no futuro", frisa o Grupo Europeu de Ética.


        Reflexão:
        As células estaminais são já um grande passo para o futuro do tratamento de doenças crónicas e hereditárias. O bem estar da humanidade irá ser cada vez melhor, mas por enquanto os preços da criopreservação destas células ainda são muito inacessiveis.
        Por outro lado, várias questões éticas são postas em causa... Será que futuramente o uso destas células irão ter utilização impropria?




        Terapia hormonal de substituição (TSH) - adiamento da menopausa

        Na menopausa os ovários cessam a produção de estrogénios e a capacidade reprodutiva diminui - é o fim da fertilidade da mulher, pois os últimos oócitos II degeneram. Com isto há uma descida drástica de estrogènios que provoca uma série de situações desagradáveis como, por exemplo: ondas de calor; palpitações; depressões; insónias; secura e infecções vaginais; incontinência; alterações nos ossos e pele; etc...


        O que é a TSH?
        A terapia de substituição hormonal feminina (TSH) diz respeito a seis hormonas – melatonina, progesterona e testosterona e ainda estradiol, estriol, estrona (estrogénios).Estas hormonas iram prevenir a ocorrencia de lesões proliferativas ou hiperplásicas do endométrio.
        O objectivo principal é ajudar as mulheres a viver mais anos e com melhor qualidade de vida. Isto é, aumentar a esperança de vida com saúde e bem estar para a gozar em plenitude.

        Riscos das terapias de reposição hormonais:
        - pode ser perigoso se usado durante longos períodos de tempo;
        - não deve ser usado indiscriminada e aleatoriamente;
        - aumenta o risco do cancro da mama e do útero;
        -aumenta risco de derrames e enfartes;
        Contra-indicações:
        - histórico de cancro da mama ou de endométrio, sofredoras de doenças do fígado; tendência para tromboses, diabetes, mulheres fumadoras, etc...
        Vantagens:
         Reduz vários problemas e sintomas em diferentes fases da vida das mulheres, as quais podem incluir:
        - Premenopausal / pós sintomas ;
        - Períodos menstruais irregulares;
        - Osteoporose ;
        - Protege contra fibrocística seios;
        - Aumenta a energia e reduz a depressã;
        - etc..

        A manutenção dos sintomas da menopausa tem de ser regular, porque pode-se optar por reposições mais naturais com o uso de fitoestrogénios, isto é, estrogénios provenientes das plantas.

        Reflexão:
         Na minha opinião este tipo de terapias devem de ser usadas quando recomendado pelo médico especialista em caso de grandes problemas hormonais. Pois os contras e os sintoma deste tratamento é tão ou mais doloroso que os sintomas normais da menopausa.

        Fontes: http://www.enetural.pt/; http://pt.wikipedia.org/; http://boasaude.uol.com.br/

        Proteína influencia obesidade...descobreta muito útil

        O tratamento da obesidade pode registar um desenvolvimento com o estudo de uma equipa de investigadores do Instituto Karolinska (Suécia), durante o qual foi descoberta uma nova proteína que tem um papel fundamental na formação de novas células gordas.
        “A descoberta da proteína, que é chamada de TRAP (tartrate-resistant acid phosphatase) e é segregada por células imunes no tecido gordo, dá uma nova percepção sobre a inflamação crónica dos tecidos gordos que caracteriza a obesidade”, afirmou o Instituto Karolinska num comunicado, explicando que os investigadores recorreram as experiências em culturas de células humanas e em ratos.O professor Goeran Andersson, que dirigiu o estudo, disse depois que a equipa acompanhou 14 mulheres obesas, procedimento em que se descobriu que TRAP se encontra em níveis excessivos em pacientes com obesidade. Conclusão geral das várias vertentes do estudo: esta proteína “estimula a formação de novas células gordas e pode precipitar o desenvolvimento da obesidade”.Além do desenvolvimento de novos tratamentos da obesidade, através da inibição desta proteína, a equipa sueca de cientistas detectou também outro caminho para prosseguir o seu trabalho: o tratamento de alguns casos de caquexia mórbida (estado de magreza extrema e atrofia muscular), verificada em doentes com determinados tipos de cancro. A TRAP podem ajudar a tratar a caquexia porque, segundo o Instituto Karolinska, nas experiências em ratos esta proteína também estimulou o metabolismo e o crescimento de células gordas benignas.

        Fonte: Noticiário "Telejornal" e jornal "Público"
         
        Reflexão: Considero que esta descoberta poderá trazer vários benefícios na luta contra obesidade e contra problemas de magreza entre outros. Através de conhecimentos de Engenharia Genética, esta descoberta pode-se tornar uma grande arma contra muitos estados inimigos da saúde.

        terça-feira, 12 de outubro de 2010

        Técnicas de rastreio e diagnóstico de anomalias do feto

        Ecografia obstétrica
         A ecografia obstétrica é uma técnica que permite obter imagens do bebé, devido a ultra sons emitidos por uma sonda e reflectidos pelo bebé. Esta técnica, nas condições de utilização médica, não tem risco conhecido.
        A ecografia obstétrica é importante numa adequada vigilância pré-natal:
        • Confirma o diagnóstico e a localização da gravidez, dando a conhecer a vitalidade do embrião/feto.
        • Nos casos de uma gravidez de risco esta ecografia é imprescindível, uma vez que nos mostra a posição da placenta e a sua maturação, a quantidade de líquido amniótico e mede o fluxo sanguíneo.


        Rastreio bioquímico
         Este exame é realizado entre as 14 e as 18 semanas e consiste na avaliação no sangue da mãe de duas substâncias relacionadas com o feto e a placenta. Com os valores encontrados é calculado o risco de determinada mulher ter um filho com anomalia cromossómica. Este exame não faz qualquer diagnóstico. Quando há valores alterados, altos ou baixos, é necessária a realização de uma ecografia morfológica detalhada e por vezes é aconselhada a amniocentese. No entanto é possivel ter um filho afectado com um exame normal.


        Amniocentese
         Consiste na aspiração transabdominal duma pequena quantidade de fluido amniótico da bolsa amniótica, que envolve o feto. Porém, este processo permite:
        - Determinar os grupos sanguineos ABO;
        - Estimar a maturidade fetal;
        - Revelar erros hereditários de metabolismo;
        - Determinar a possível necessidade de uma transfusão fetal intra-uterina.




        Biópsia das vilosidades coriónicas
        Consiste na recolha de vilosidades corionicas ou da placenta, cujas características genéticas são iguais ao do feto. Pode ser realizado a partir da 10ª semana de gestação.
        - É um método rápido e seguro;
        - Os resultados obtêm-se em pouco tempo;
        - Para a análise são necessárias mínimas quantidades de tecido;
        - Detecção de alterações cromossómicas.


        ...
        Hoje em dia, graças ao avanço da medicina e da tecnologia, temos em nosso alcance vários tipos de diagnósticos e técnicas que nos permitem/ajudam nos a preceber melhor o estado do embrião que irá nascer.
        Aproveite, pois o tempo em que as mulheres estão com um embrião dentro do seu útero é a fase mais bela que temos na vida, tanto para o casal como para os pequenotes! : D


         



        domingo, 10 de outubro de 2010

        "A vida antes da vida"

        "A vida antes da vida" é um documentário da BBC que na passada aula de Biologia tive a oportunidade de ver. O tema está relacionado com as várias fazes que passamos antes do nascimento, as dificuldades, as alegrias que um casal tem e tanto ambiciona ter para ter um filho.

        Ficha técnica:
        Editora: Duetto Editorial
        Direção: Nils Tavernier
        Supervisão científica: René Frydman
        Produção: Transparences Production, 17 Juin Media, Europe Images International, France 2
        Duração: 90 minutos



        Documentário francês que retrata o processo de gestação de um bebe e, as várias concepções de nascimento vivida pelos casais. Dirigido a todos os públicos, com especial interesse a pais e mães que também esperam um bebe, a produção reconstitui em imagens 3D a vida intra-uterina do bebe ao relatar o dia-a-dia da jovem Bárbara, uma adestradora de golfinhos grávida pela primeira vez. O filme tem direção de Nils Tavernier e supervisão científica de René Frydman, médico responsável pelo primeiro bebe de proveta francês.
        Num trabalho extenso e minucioso, o filme revela a verdadeira batalha dos espermatozóides para fertilizar o óvulo, a intensa proliferação celular do embrião e seu desenvolvimento ao longo dos nove meses de gestação, o comportamento do feto diante dos movimentos da mãe, suas sensações em resposta aos gestos maternos, as trocas químicas entre o bebe e a mãe, além de todas as mudanças no corpo materno. Do lado de fora do útero, o documentário mostra, ainda, o que se passa com a mãe: as emoções e as dificuldades da gestação, a ligação afetiva com o feto, a relação marido e mulher, as limitações no trabalho e as reflexões de como será a vida com a chegada do bebe são retratadas com sensibilidade pelo diretor.
        
        Somos seres FANTÁSTICOS :)!!
        
        Para mim, este documentário foi extremamente agradável de ver; primeiro porque fala sobre o nosso "pós" vida, "pós" seres totalmente completos e pensantes; e segundo, retrata nos uma visão diferente daquilo que um casal sente e deseja quando quer ter um filho.



        Androgéneos

        "A testosterona tem um potente efeito sobre o desenvolvimento da musculatora corporal. Esta hormaona e, mais frequentemente, androgéneos sintéticos são utilizados por atletas que pretendem melhorar o seu desempenho muscular. Contudo, esta prática pode ter efeitos muito prejudiciais para a saúde."
        O que é que os androgénios fazem?

        Os androgênicos são aqueles que interferem com as características masculinas. Todo ser humano possui hormônios masculinos. Os homens saudáveis, naturalmente possuem em seus organismos muito mais que as mulheres. Quando é dada a uma pessoa normal quantidades extras de hormônios masculino, como os anabolizantes esteróides sintéticos, o corpo fica com excesso de hormô-nios e com isso, gradativamente, o organismo cessa a produção natural, passando a depender das drogas artificiais, ocasionando danos reversíveis ou irreversíveis.

         

        Quais os efeitos colaterais cientificamente comprovados dos androgénios?

        Todos os androgénios fabricados até o presente momento, possuem efeitos colaterais e quanto mais androgénica for a droga, mais perigosa ela é para o organismo.

        Efeitos colaterais

        • Cardiomegalia (aumento do tamanho do coração)
        • Acne
        • Câncer hepático
        • Aumento dos níveis de colesterol LDL
        • Diminuição grave dos níveis de colesterol HDL
        • Alargamento do clitóris
        • Edema (retenção hídrica no tecido)
        • Dano irreversível ao feto
        • Ereções freqüentes e contínuas
        etc...

        Os androgénios são altamente perigosos para a nossa saúde, para um atleta, este tipo de droga é considerado como doping!


        domingo, 3 de outubro de 2010

        "Flor do deserto"

      • Título Original: Desert Flower




      • Intérpretes: Liya Kebede, Sally Hawkins, Craig Parkinson, Meera Syal




      • Realização: Sherry Horman




      • Distribuido em Portugal por: Ecofilmes/Vitória Filme




      • Género: Drama




      • Ficha Técnica: Duração: 2hs 




      • Origem: GB/ALE/AUSTRIA







      • Baseado na história verídica e best-seller mundial, duma menina somali excisada aos 5 anos, vendida para casar aos 13, e que acabou por se tornar numa supermodelo em Inglaterra, sendo hoje uma porta-voz da ONU contra a excisão feminina.
        A história

        A denúncia de mutilação genital das mulheres somalis é o grandioso objetivo da obra Flor do Deserto. Através de sua biografia, a modelo africana Waris Dirie, atravessa as fronteiras da Somália e mostra ao mundo o lado grotesco de sua cultura.

        Waris conta que foi mutilada aos cinco anos de idade, numa espécie de rito de passagem.O relato impactante mostra a crueldade e o preconceito aos quais são submetidas as meninas somalis. Seus clitóris são extirpados com objetos rudimentares, como facas, tesouras e lascas de pedras, sem preocupação com higiene, pondo em risco milhares de vidas. A cultura de seu país atribui à genitália feminina o estigma do mal, por isso toda filha mulher é submetida a ritual de mutilação. A modelo relata sua saga pelo deserto da Somália, fugindo da tirania do pai, cuja mentalidade cultural, permite não só a mutilação, como a escolha do marido para a filha. A menina Waris foge,ainda sangrando para Mogastício a pé, enfrentando animais selvagens e areias escaldantes. A provação de Waris é recompensada em parte, fora do seu país e longe das imposições de sua cultura, ela se torna uma modelo conhecida internacionalmente, o que lhe permite denunciar ao mundo a bárbarie a que são submetidas as mulheres somalis.

        Meninas da somalia

        Hoje Waris é embaixadora da ONU e responde por assuntos que denunciam a crueldade contra as mulheres de seu país.
        
        
        Grande mulher, sem dúvida!!
        
        
        

        Disfunções sexuais masculinas - Viagra



        O que é o viagra?

        • pequeno comprimido azul;

        • nome científico: Citrato de Sidenafil e nome comercial: Viagra;

        • permite aos homens que tinham problemas de disfunções sexuais a voltarem a ter uma vida sexual ativa;

        • restaura a função erétil do homem;

        • ajuda alguns homens com ejaculação precoce, apesar de não ajudar na ejaculação;

        • não é hormônio nem afrodisíaco.

         A ação do VIAGRA se dá pela potencialização do mecanismo que provoca o relaxamento da musculatura lisa dos corpos cavernosos do pênis, aumentando neles o influxo de sangue e determinado assim ereções firmes e prolongadas.


        Quem é que deve de tomar?
        É indicado para pacientes que apresentam disfunção erétil (impotência) de causa psicológica, orgânica ou mista, inclusive pacientes com história de:

        • doença arterial das coronárias e outras doenças cardíacas

        • hipertensão arterial

        • doença vascular periférica

        • diabete melito

        • depressão

        • disfunção erétil após cirurgia da próstata

        • uso de anti-depressivos e anti-psicóticos

        • lesão da medula espinhal

        É um medicamento seguro?Sim. Nos últimos três anos tem sido sobejamente testado em mais de 4.500 homens.  A incidência de efeitos adversos que fez com que pacientes abandonassem o estudo foi de apenas 2.5%, tanto para os que tomavam placebo como Viagra.


        Quais são os efeitos secundários?
        Dor e cabeça leve, rubor,  indigestão, coriza nasal, distúrbios visuais transitórios.


        Há alguma contra-indicação?
        Sim. A única contra-indicação é o uso de nitratos (nitroglicerina sublingual, nitratos de amplo espectro, nitratos em pasta). Uso por homens para os quais o intercurso sexual é desaconselhável devido a fatores de risco cardiovasculares. Pessoas com problemas hepáticos severos (diminuição da função do fígado), com problemas renais severos. Hipotensão (pressão baixa). Infarto ou ataque cardíaco recente. Desordens hereditárias degenerativas da retina.

        domingo, 26 de setembro de 2010

        O homem reprodutor

        Muito antes do nascimento de um ser, antes da fecundação, antes da entrada de espermatozóides para o útero, há um conjunto de mecanismos que os espermatozóide têm de ultrapassar.


        Aparelho repordutor masculino

        O sistema reprodutor masculino é formado por:

        • Testículos ou gônadas

        • Vias espermáticas: epidídimo, canal deferente, uretra.

        • Pênis

        • Escroto

        • Glândulas acessórias: próstata, vesículas seminais, glândulas bulbouretrais.
        Escroto
         Um espermatozóide leva cerca de 70 dias para ser produzido. Eles não podem se desenvolver adequadamente na temperatura normal do corpo (36,5°C). Assim, os testículos se localizam na parte externa do corpo, dentro da bolsa escrotal, que tem a função de termorregulação (aproximam ou afastam os testículos do corpo), mantendo-os a uma temperatura geralmente em torno de 1 a 3 °C abaixo da corporal. 

        Testiculos


         São as gônadas masculinas. Cada testículo é composto por tubos seminíferos enrolados. Esses tubos são formados pelas células de Sértoli (ou de sustento) e pelo epitélio germinativo, onde ocorrerá a formação dos espermatozóides. Enter os tubos seminíferos, as células intersticiais ou de Leydig  produzem  as hormonas sexuais masculinos, sobretudo a testosterona, responsáveis pelo desenvolvimento dos órgãos genitais masculinos e dos caracteres sexuais secundários:
        • Estimulam os folículos pilosos para que façam crescer a barba masculina e o pêlo pubiano.
        • Estimulam o crescimento das glândulas sebáceas e a elaboração do sebo.
        • Produzem o aumento de massa muscular nas crianças durante a puberdade, pelo aumento do tamanho das fibras musculares.
        • Ampliam a laringe e tornam mais grave a voz.
        • Fazem com que o desenvolvimento da massa óssea seja maior, protegendo contra a osteoporose.
        Epidídimos (por cada testiculo)
         Composto por um tubo enrolado, que faz a passagem do esperma durante 20 dias, permitindo o amadurecimento, mobilidade e capacidade fecundativa aos espermatozóides.

        Canais deferentes
         São dois tubos que partem dos testículos, circundam a bexiga urinária e unem-se ao ducto ejaculatório, onde desembocam as vesículas seminais.

        Vesiculas seminais
        Produzem um líquido correspendente a 60% de esperma, que contém muco, frutose (fornece energia aos espermatozíódes), enzimas e hormonas.

        Próstata
        Glândula localizada abaixo da bexiga urinária. Secreta substâncias alcalinas que neutralizam a acidez da urina e  ativa os espermatozóides

        Glândulas de Cowper
        Sua secreção transparente é lançada dentro da uretra para limpá-la e preparar a passagem dos espermatozóides. Também tem função na lubrificação do pênis durante o ato sexual.

        Pénis
        formado por dois tipos de tecidos cilíndricos: dois corpos cavernosos e um corpo esponjoso (envolve e protege a uretra). Na extremidade do pênis encontra-se a glande - cabeça do pênis, onde podemos visualizar a abertura da uretra. Com a manipulação da pele que a envolve - o prepúcio - acompanhado de estímulo erótico, ocorre a inundação dos corpos cavernosos e esponjoso, com sangue, tornando-se rijo, com considerável aumento do tamanho (ereção).

        Assim, através de todo este "trajecto", é possivel obter as condições possiveis e favoráveis á formação e lançamento de espermatozóides, e tudo começa, no inicio da puberdade através da  ESPERMATOGÉNESE :



        1. Fase germinativa                                                                                                                  Espermatogónias - células germinativas que estão constante proliferação e em sucessivas divições mitóticas, que darão origem aos espermatozóides.
        2. Fase de crescimento                                                                                                                        As espermatogónias anmentam de volume, devido à sintese e acumulação de substâncias de reserva, originando os espermatócitos I.
        3. Fase de maturação                                                                                                                         Cada espermatócito I divide-se, por meiose. 1ª divissão meiótica = dois espermatócitos II, seguindo-se da 2ª divissão meiótica = quatro espermatídeos.
        4. Fase de diferenciação                                                                                                                      Os espermatídeos transformam-se em espermatozóides, onde há perda de grande parte do citoplasma, reorganização dos organelos citoplasmáticos e diferenciação de um flagelo, a partir dos centríolos. 
        E nasceram espermatozóides felizes : )